O astrolábio é um instrumento antigo que servia não só como instrumento de navegação mas também para medir alturas e profundidades. Mas para que servia exactamente este instrumento e como é constituído o astrolábio. Vamos conhecer um pouco mais sobre este simples mas multi-funcional aparelho dos tempos antigos.

Quando e onde surgiu o astrolábio?

Calcula-se que o astrolábio tenha começado a ser usado a alguns milhares de anos, por volta de 150 A.C. Este aparelho de cálculo e medida passou pelas mãos dos Gregos e foram também os Árabes que o usaram e trouxeram inclusivamente para a Europa na Idade Média.

 

Para que servia o astrolábio?

Usado com diversos propósitos, o astrolábio servia para medir a altura e posição dos astros, sendo isto muito útil para a navegação marítima. A sua utilização não se restringia apenas na utilização no meio naval, sendo ainda capaz de medir alturas ou profundidades.

Além de ser usado na astronomia, navegação e geografia, o astrolábio foi também utilizado com outros propósitos, para registar o tempo e até para gerar horóscopos!

 

Leia outros artigos interessantes que falam sobre curiosidades dos tempos antigos – o trabuco, uma potente arma de guerra ou porque se escrevem o início dos nomes próprios com uma letra maiúscula.

 

Astrolábio

 

Como é formado um astrolábio

Este instrumento antigo, apesar da sua aparência simples e rudimentar, foi como já vimos, de grande utilizada para muitas áreas, principalmente para a navegação. A constituição do astrolábio consistia em algumas peças encaixadas umas nas outras, permitindo assim a medição ou cálculo.
O astrolábio é, aliás, era formado por base em formato de disco, normalmente feita de latão, chamada de madre (mater) onde são encaixadas as restantes partes. Sobre este disco principal estão inscritas a todo o seu redor escalas com números, indicando espaços de tempo ou graus.
Os tímpanos (tabulas), marcações gravadas sobre a mater são pequenas peças em forma de disco onde estão inscritas várias linhas de azimute, que podem variar entre os 0 graus (Norte) e os 360º (novamente Norte). Cada grau corresponderia assim a uma coordenada da rosa dos ventos, medida no sentido dos ponteiros do relógio. Poderiam ainda existir outros tipos de tímpanos, com círculos que determinavam a altura de determinado lugar, medida a partir da linha do horizonte.Sobre os tímpanos do astrolábio era colocado outro disco a que deram o nome de aranha (rete). Esta peça móvel tinha gravadas as localizações das principais estrelas, permitindo determinar qual a altura e a direcção para que apontava determinada estrela.

alidade era uma outra peça que fazia parte do astrolábio e localizava-se na parte mais atrás. Esta peça, sob a forma de agulha, girava e tinha a função de medir a altura dos astros, através da observação do limbo, com inscrições divididas em graus.

O anel em forma de elipse servia para determinar qual o percurso do sol. Através de um calendário conseguia-se determinar qual a localização geográfica do sol, consoante o dia do ano em que se estivesse.

Por fim, existia ainda o ponteiro das estrelas, que, em conjunto com a aranha que girava para um e outro lado, servia para determinar a posição geográfica de determinada estrela, com base no dia do calendário em que se estivesse a fazer o cálculo.