O esqueleto é um dos principais elementos do nosso corpo, uma vez que é ele que nos dá forma e estrutura, permite-nos movimentar e, acima de tudo, protege os nossos órgãos vitais, como por exemplo, o cérebro, protegido pelo crânio, os pulmões e o coração, protegidos pelas costelas e pelo esterno, etc.

O esqueleto de um adulto é constituído por 206 ossos, enquanto o de um recém-nascido é formado por 270, sendo esta discrepância justificada pelo crescimento e união de alguns ossos, até aos 18 anos no caso das mulheres, e até aos 20 anos no caso dos homens.

No útero, o esqueleto é formado por cartilagem, no entanto, durante o processo de crescimento, esta cartilagem vai sendo progressivamente substituída por osso. Este procedimento é denominado por ossificação. Este processo leva muito tempo até ficar finalizado, já que a constituição definitiva apenas se verifica nas idades referidas anteriormente.

Os ossos também variam em formato e tamanho, sendo que o maior osso é o fémur, situado na coxa, e o menor é o estribo, situado dentro do ouvido médio, estão ligados aos músculos através dos tendões, e o principal elemento que os forma é o fosfato de cálcio mineralizado, no entanto a medula, a cartilagem e os vasos sanguíneos também fazem parte da sua estrutura.

 

Esqueleto humano, ossos

 

De que forma os ossos dão flexibilidade?

Tendo em conta a rigidez dos ossos, é interessante percebermos de que forma é que isso não condiciona a nossa flexibilidade. A razão é simples: os ossos estão ligados entre si por articulações que permitem que os músculos concedam ao esqueleto mobilidade e flexibilidade de movimentos. Dentro do conjunto das articulações também é possível separá-las pelas seguintes categorias:  as que não possuem qualquer movimento, como é o caso do crânio;  as que se movimentam sem qualquer problema,  como é o caso dos ossos púbicos da pélvis;  e por último, as que se movimentam sem limite, com é o caso das mãos.

Apesar de todos possuirmos este tipo de articulações, nem todos conseguimos ter o mesmo tipo de amplitude de movimento, isto porque o formato dos ossos,  a rigidez dos ligamentos e dos músculos que as rodeiam variam de ser humano para ser humano.

A mobilidade das articulações também é condicionada pelo facto de as extremidades dos ossos serem constituídas por cartilagem lisa e pela presença do  líquido sinovial (líquido lubrificante) entre o espaço que medeia  as articulações. Algumas articulações têm ainda discos planos de cartilagem, os chamadosmeniscos, que têm como principal função atuar como amortecedores de choques.

 

Outras curiosidades que poderá gostar:

- Conheça 8 mitos sobre o corpo humano
- Porque os pés cheiram mal?
- Para que serve a medula espinal?

 

Diferenças na estrutura corporal do homem e da mulher

O esqueleto humano também varia de estrutura consoante o sexo. No caso das mulheres, a pélvis é mais larga e menos funda, isto para facilitar na hora do parto, também o esterno é mais largo e curto, e os ossos do pulso são mais estreitos. Já os homens têm um crânio mais forte, devido à maior ligação de músculos, e um queixo mais saliente.