A pele dos anfíbios apresenta-se como o elemento mais importante tanto para o bom funcionamento da respiração, como para a proteção do corpo contra as agressões externas.

Os anfíbios são animais de pele fina e húmida, onde não se observa a existência de pêlos ou escamas externas. Por serem animais que não conseguem manter a temperatura do corpo constante por mecanismos externos, são denominados por animais de sangue frio ou pecilotérmicos.

A pele possui características fundamentais para garantir a sua sobrevivência, podendo mesmo respirar e expirar plenamente, tanto no meio terrestre como no aquático, por meio da pele. Também a absorção de água é feita através deste elemento cutâneo, ou seja, quando se sentem desidratados os anfíbios aproximam o ventre à água e absorvem-na através da pele.

 

Como funciona a pele dos anfíbios, sapo, rã

 

Tipos de pele dos anfíbios

Podemos distinguir as glândulas da pele dos anfíbios em dois tipos: as mucosas, que produzem muco deixando a pele húmida e lisa, e as serosas, que produzem veneno protegendo-os contra os inimigos.

Mesmo quando estamos perante espécies aquáticas, o muco também está presente e cumpre a mesma finalidade: humedecer o corpo.

Devido à fina textura das células superficiais da pele é possível o oxigénio passar para o sangue, no entanto como os seus pulmões têm pouca superfície de contacto para fazer as trocas gasosas, a respiração pulmonar revela-se ineficaz, logo a respiração pela pele acaba por assumir um importante papel no processo de trocas gasosas com o meio ambiente.

 

De que se alimentam os anfíbios?

Enquanto são jovens, a maioria dos anfíbios vive exclusivamente em ambiente aquático, assim que entram na fase adulta acabam por escolher o ambiente terrestre, acabando por se tornarem carnívoros.

Assim sendo, enquanto animais carnívoros alimentam-se essencialmente de minhocas, insetos, aranhas, e de outros vertebrados como anfíbios e pequenos mamíferos.

A língua apresenta-se como uma importante característica, no caso dos sapos, já que permite a captura de insetos voadores. Para além de ser pegajosa (o que facilita a caça), a língua alcança uma distância bastante significativa, o que facilita a captura a este predador.

Os seus estômagos são bem desenvolvidos e estão aptos a digerir todos os elementos corporais dos insetos, mesmo os que têm uma casca mais rija.

 

Outros artigos sobre animais

- Como e porque é que o bicho da seda produz a seda?
- Conheça várias curiosidades sobre as piranhas
- Animais do dia-a-dia vistos ao microscópio – parte 1
- Animais do dia-a-dia vistos ao microscópio – parte 2

 

Como acontece o processo de reprodução dos anfíbios?

Não existe um lugar específico para a reprodução dos anfíbios, tudo depende de que espécie se trata, no entanto há um elemento comum a todas as espécies, a humidade, isto porque os seus ovos são colocados sem casca e para permanecerem hidratados têm que estar em contacto com a água ou em ambientes húmidos.

Tanto podemos estar perante um anfíbio que escolheu uma poça de chuva, um rio ou um lago para se reproduzir, como podemos verificar que o ambiente terrestre húmido foi o local escolhido por outro. Apesar de podermos assistir a esta duas possibilidades, a verdade é que o acasalamento da maioria dos anfíbios acontece, maioritariamente, em ambiente aquático.

O sapo macho atrai a fêmea através do seu canto e do seu coaxar quando esta se encontra em período fértil.